Existem diversos termos na gestão financeira que podem confundir quem não é da área da contabilidade ou que está ingressando nesse meio. Separamos alguns para facilitar a sua compreensão, continue conosco e acompanhe o post.

Fluxo de Caixa:

De forma simples, o fluxo de caixa é o registro de entradas e saídas de valores de uma empresa. Esse instrumento demonstra a situação financeira líquida em um determinado período. No nosso blog, nós temos um post falando sobre o Fluxo de Caixa. Confira.

Receitas:

É a entrada de recursos financeiros no caixa da empresa. Toda entrada de valores, é registrada e, juntamente com outros termos que veremos abaixo, será apresentada nos informativos aos quais a empresa está obrigada a enviar

Despesas:

São os gastos de ordem financeira da empresa, trata-se das compras e aquisições que a empresa obteve no período juntamente com os gastos fixos e eventuais que a empresa possui.

DRE:

Como o nome por extenso já diz, o Demonstrativo de Resultado no Exercício, é um documento de ordem contábil que demonstra a movimentação contábil de uma empresa. Tal documento é composto pelo detalhamento dos tipos de Receitas e Despesas do período separados e ao final o resultado obtido (Lucro Acumulado ou Prejuízo Acumulado).

Capital de Giro:

Esse é dos termos mais comuns para os gestores, trata-se do valor que a empresa dispõe para pagar contas e comprar materiais, por isso o nome é composto pela palavra Giro, nada mais é que o valor que a empresa irá movimentar para realizar as suas atividades.

Toda empresa necessita de algum vintém para as despesas do dia a dia e por isso o Capital de Giro é tão importante na vida de uma empresa.

Faturamento:

Talvez um dos termos mais fáceis de entender, em suma, trata-se do valor que a empresa fatura ou obtém no desempenho de suas atividades sem que haja sido descontado as despesas. Porém não confunda Faturamento com Lucro, abaixo explicaremos o que é o Lucro e como fazer a diferenciação entre ele e o Faturamento. O Faturamento é o somatório de todas as Receitas da empresa sem descontar nenhum encargo.

Lucro:

É pura e simplesmente o valor que sobrou após o pagamento de todas as despesas e impostos. Difere-se do faturamento pois neste há os descontos de tudo que foi pago no período. Para empresas do regime Geral, a apuração dos impostos é feita com base no quanto a mesma apresenta de Lucro ao final do exercício.

Margem de Lucro:

Trata-se da porcentagem de lucro acrescida do valor de compra e dos encargos tributários que incide na venda do produto.

Tal cálculo por vezes pode ser complexo pois alguns produtos possuem isenção de impostos, outros não e alguns são pagos antecipados, portanto sempre orientamos que conversem com um de nossos profissionais da área Fiscal para um correto cálculo

Rentabilidade:

A rentabilidade nada mais é que o preço final do produto diminuído dos custos de produção (matéria prima, mão de obra e demais custos alusivos ao processo de produção).

Tal item é crucial para a saúde da empresa pois se um produto não é rentável acaba não sendo viável para a empresa continuar produzindo o mesmo.

Para o correto cálculo a fim de saber se a produção de determinado item é ou não rentável, fale com um de nossos profissionais.

Esses tópicos são de suma importância para quem gerencia uma empresa pois formam basicamente um termômetro financeiro para o empresário que avisa se a empresa está saudável ou não nas atividades desempenhadas. Para saber mais sobre assuntos do universo da contabilidade e da gestão empresarial, clique aqui.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por Traço D – 2018